top of page

Prof. Gotelli/Artigos: A coroação de Carlos III vista por um ceremonialista republicano.


Prof. Aníbal Gotelli, Presidente CIDEC Argentina


Todos os meus colegas sabem que não gosto de monarquias. Sou um defensor do mérito para o acesso aos cargos públicos porque pagamos os funcionários públicos com os nossos impostos.


Mas, no entanto, muitos colegas estão muito interessados ​​em saber detalhes da coroação de Carlos III.


O desenvolvimento da cerimônia será muito mais simples que o de sua mãe. A coroação de Elizabeth II durou mais de 3 horas. E a coroaçao de Carlos, aparentemente, vai durar pouco mais de uma hora.


Durante alguns dias, alguns aspectos da cerimônia foram ensaiados. Na quarta-feira vimos um grande desfile pelas ruas de Londres. Cavalos e soldados de infantaria escoltavam a carruagem dourada vazia.


A cerimônia existe há mais de mil anos. E, QUASE inalterada, manteve-se até os dias de hoje. Todos sabemos que Carlos produziu algumas alterações significativas na cerimónia: a sua duração, a redução do papel da aristocracia e da nobreza, as homenagens ao monarca e as demonstrações de submissão e vassalagem ao estilo medieval.


Hoje seria impossível manter a cerimônia tal como foi concebida há mais de mil anos, pois as monarquias fracas sempre correm o risco de cair.


Lembremos que nem tudo é jardim de rosas na monarquia britânica. No “quintal” do palácio ainda temos a memória dos maus-tratos a Lady Diana por um marido adúltero e misógino, o separatismo irlandês, o Brexit, e tantos outros problemas que, uma personalidade instável e altiva como a de Carlos, não ajuda a resolver, nem para acalmar.


Recordemos que, a pedido da mãe, o rei D. Carlos deverá coroar a rainha Camila, que durante anos foi alvo do ridículo, do ódio e da violência por parte dos ingleses, por ter sido amante permanente do actual rei ao longo da sua vida, ainda, incluindo os anos em que viveu de "aparência feliz" com a princesa de Gales e seus dois filhos, William e Henry.


A coroação em si começa com a procissãofeita pelo rei, junto com sua comitiva, do Palácio de Buckingham até a Abadia de Westminster, local histórico onde acontecerá a cerimônia. Lá esperam: a família real, o governo, os parlamentares, os pares do reino, os convidados nacionais e internacionais que assistem à cerimónia. Até agora, muitos detalhes da cerimônia em si não foram divulgados, provavelmente por medo de um ataque, ou talvez para aumentar os níveis de interesse pela cerimônia.


Tenhamos em mente que a maioria dos países do mundo são repúblicas, mas, mesmo assim, a influência de Walt Disney ainda é muito importante, e muitas pessoas ainda precisam viver a ilusão dos palácios encantados, das cerimônias brilhantes e das carruagens douradas. É por isso que o marketing real certamente busca, em todos os momentos, manter os níveis de mistério necessários para que neste próximo sábado as pessoas se encontrem na frente de sua televisão, notebook ou celular assistindo à coroação.


Algumas das coisas que já sabemos é que o rei Charles III usará a cadeira ou trono do rei Edward, “King Edward's Chair”, “St Edward's Chair” ou “The Coronation Chair”. Esta cadeira é uma cadeira de madeira, que é preservada na Abadia de Westminster e tem sido o trono usado pelos monarcas britânicos durante a cerimônia de coroação.


A cadeira foi encomendada em 1296 pelo rei Eduardo I para conter os fragmentos da Pedra do Scone, capturados por ele mesmo na abadia de mesmo nome.


A Pedra do Destino, também conhecida como Pedra do Scone ou Pedra da Coroação, é um bloco de arenito, historicamente guardado na Abadia de Scone (hoje demolida e substituída pelo Palácio de Scone), que foi usado nas cerimônias de coroação dos reis escoceses durante o período Idade Média.


No século 13, a Pedra foi capturada pelo rei Eduardo I da Inglaterra e levada para a Abadia de Westminster, em Londres, para ser usada na coroação dos reis ingleses. Em 1996, o governo britânico decidiu devolver a Pedra à Escócia, com a condição de que fosse devolvida a Londres para uso em futuras coroações, de modo que agora pode ser vista no Castelo de Edimburgo, junto com as joias da coroa escocesa.


Também se soube que, durante a cerimónia, o rei Carlos será coroado com a "coroa de Santo Eduardo", que tem sido a coroa tradicional com que são coroados os reis da Grã-Bretanha.


Se tudo acontecer como aconteceu com todos os seus predecessores, o arcebispo de Canterbury se encarregará de colocar a coroa de Santo Eduardo na cabeça do novo rei.


Esta coroa é usada durante a coroação e, como nos casos anteriores, para sair da Abadia você usará a coroa imperial do Estado, que é muito menos pesada que a usada para a coroação.


A Coroa de São Eduardo Ouro maciço de 22 quilates, a coroa de 360 ​​anos mede mais de 12 polegadas e pesa quase 5 libras. A rainha Elizabeth II foi a última monarca a usar esta coroa de São Eduardo, em sua coroação em 1953.


A coroa tem 444 joias e pedras preciosas, incluindo valiosas safiras, rubis, ametistas e topázios. Embora a maioria seja água-marinha de cor azul claro e azul-petróleo. Eles são embutidos em montagens de esmalte e ouro.


As pedras da coroa eram removíveis e alugadas especialmente para a coroação.


Não foi até o século 20 que eles foram permanentemente incorporados à coroa.


A coroa foi feita para Carlos II em 1661. Seu nome vem de uma versão muito mais antiga que pertenceu ao rei anglo-saxão e santo Eduardo, o Confessor. Ele foi retratado usando a coroa e na famosa Tapeçaria de Bayeux, tecida no século X.


Diz-se que a coroa de Eduardo, considerada uma relíquia sagrada após sua morte, foi usada nas coroações de Henrique III e reis e rainhas subsequentes.


Mas foi derretido com outros tesouros reais pela facção parlamentar de Oliver Cromwell em 1600, após a execução do rei Carlos I.


Após a morte de Cromwell e o retorno da monarquia, o rei Carlos II encomendou um novo conjunto de joias reais, incluindo a coroa de Santo Eduardo e uma nova coroa do estado (foto acima).

Parece que algumas das partes da antiga cerimônia de coroação foram suprimidas, como a homenagem dos súditos e o juramento de fidelidade.


O arcebispo vai pedir el juramento ao rei para declarar oficialmente sua coroação. Recordemos que Carlos III é automaticamente rei desde o momento da morte da mãe: "Morreu a rainha, viva o rei!".


O rei também deve prometer proteger e defender os direitos e liberdades dos cidadãos do Reino Unido.


O rei estará vestido com o manto real e com os cetros de poder que simbolizam a coroa, na sua dupla função de chefe de Estado e chefe da Igreja de Inglaterra.


Durante a cerimônia veremos também uma espada cerimonial que simboliza o poder terreno do monarca e seu papel na defesa da paz dos ingleses.


Outro elemento de grande destaque na cerimônia será o “ORBE”. O orbe é uma bola que representa o globo encimado por uma cruz e segurado na mão pela Virgem, Cristo ou imperadores em algumas pinturas ou esculturas.


O orbe é um símbolo cristão de autoridade usado ao longo dos tempos e que aparece hoje em moedas, iconografia e nas Joias da Coroa de algum país ou antigo Estado como Espanha, Áustria, Baviera, Dinamarca, Rússia ou Suécia.


Na iconografia ocidental, o orbe simboliza o domínio de Cristo (a cruz) sobre o mundo (o orbe), literalmente mantido por um governante.


Em algum momento da cerimônia, o monarca deve segurar o orbe para reafirmar seu papel de chefe espiritual da Igreja de seu país.


Outro elemento será o anel, feito de safira e diamantes. Este anel forma uma cruz com suas pedras, e simboliza a cruz vermelha de São Jorge -Inglaterra- e sobre um fundo azul que simboliza a cruz de Santo André, da Escócia.


Este anel simboliza o "compromisso" entre o rei e a unidade da nação.


Outro elemento que terá grande destaque será o “óleo sagrado” com o qual o monarca será “ungido”. Este óleo sagrado ou, também, óleo sagrado, era um óleo consagrado na Igreja do Santo Sepulcro, em Jerusalém. No entanto, fontes jornalísticas relatam algo bem diferente.


Vejamos o que diz o jornal “El Debate”: “Até agora, a origem do óleo que o rei Carlos III vai usar era um mistério, mas agora o jornal The Telegraph revelou todos os detalhes sobre ele. Segundo este médium, o óleo da coroação do filho da rainha Isabel II está a ser preparado secretamente há mais de oito meses num conjunto habitacional em Hull, cidade do condado de Yorkshire, em Inglaterra. O responsável por este pedido foi o ministro eclesiástico reformado e farmacêutico Mark Hutton que afirmou ter usado a receita clandestina que era usada por Carlos I, usando mirra, canela e azeite, como manda a Bíblia”.


Ao final da cerimônia, como é comum nas cerimônias britânicas, será cantado "God save the king".


Mais tarde, o recém-coroado rei fará um passeio pelas ruas de Londres, com a Golden State Carriage.


Depois desta digressão, o novo Rei do Reino Unido seguirá para o Palácio de Buckingham onde oferecerá um banquete aos seus convidados

0 comentarios

Comentários


bottom of page